Criar jogos em quantidade ou em qualidade?

Personagens Mincraft lado esquerdo, Kratos God of War lado direito

Vale a pena gastar muito tempo criando um único jogo? O dilema parece ser comum a vida de um desenvolvedor independente, mas um ponto que parece se repetir nos dicursos de devs internacionais é o que quantidade tende a gerar qualidade.

Isso mesmo. Quanto mais jogos lançamos, quanto mais feedback conseguimos do mercado, mais chances de termos um produto com maior qualidade. Além disso, quanto mais vezes praticamos as tarefas inerentes ao processo de lançamento (aplicação de estratégias de divulgação, mensuração de resultados, etc.), mais argumentos criamos para dizer o que é viável (ou não) para os nossos jogadores ideais.

Pensando assim, o vídeo traz resumidamente três pontos que talvez justifiquem o porque devemos concentrar nossos esforços em lançar muitos games (no início de nossa vida como desenvolvedor indie), ao invés de investir muito tempo e dinheiro em um único produto.

Essa lógica também é interessante caso trabalhemos com mercados de nicho, por isso no vídeo é pontuado o livro Cauda Longa de Chris Anderson. Se você tiver interesse em entender mais sobre esse conceito, é válido dar uma olhada neste resumo feito pelo Felipe Tazzo.

3 Comments

  1. Não concordo com a sua ideia
    Porque não adianta eu criar 10 jogos em 1 ano e nenhum for hem aceite e com isso eu achar que estou a ganhar experiência.

    Agora se eu focar em um jogo pelomenos uns 5 anos ai eu vou analizar o que as pessoas mas gostam em um jogo de mundo aberto por causa de outros já lançados e tentar aprimorar ainda mais oque já é aceite pelo público.

    Por isso eu acho melhor a qualidade do auê a quantidade

    1. Talvez a questão principal não seja o fato dos seus 10 jogos serem aceitos ou não, mas sim o processo de lançamento e o quanto de experiência você adquiriu ao lançar tais produtos. Além disso, foram dez tentativas (provavelmente) a um custo muito baixo e se você lançar todos do mesmo gênero, as chances do décimo ser muito melhor do que o primeiro, tanto em questão de gameplay, arte, etc., podem ser muito maiores do que um jogo criado sem experiência alguma.
      Por outro lado, se você gastar cinco anos pra produzir um game, as chances das pessoas que você identificou no início serem as mesmas do final são mínimas (!). Pense só, cinco anos atrás os gráficos dos jogos, as mecânicas mais populares, eram diferentes das de hoje. Antes o gênero Battle Royale era desconhecido (para não dizer inexistente) e hoje é um dos que mais faturam. Você mudaria todo o seu jogo pra tentar se encaixar no que o pessoal gosta? Em questão de dinheiro isso é uma completa loucura!
      Por fim, talvez seja mais interessante pensar em quantos jogos você lançaria em 5 anos trabalhando na lógica de lançar um a cada dois meses (1mês/6ano/30 em 5 anos). Posso te dizer com MUITA certeza que com 30 jogos no mercado você teria aprendido coisa pra caramba, provavelmente MUITO MAIS do que trabalhando em um único projeto! Valeu por comentar!

      1. Esqueci de comentar! Em 2013 (se não me engano), a Tapps, uma das maiores empresas mobile do país, tinha como meta lançar 100 JOGOS NO ANO. Fizeram uma infinidade de re-skins mudando apenas o tema/arte. Talvez por causa disso, os downloads são muito maiores. Procure pela saga Evolution.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *