Desmistificando mitos: jogo indie necessita de múltiplas redes sociais para ter visibilidade?

A presença em diversas redes sociais pode gerar um trabalho desnecessário, ao mesmo tempo que não garante visibilidade a um jogo indie.

Antes de começarmos nossa discussão, preciso pontuar que o intuito do blog é produzir conteúdo de relevância para desenvolvedores de jogos indie.

O feedback que recebo, seja no próprio blog, ou por meio de amigos, é o que me permite trazer um conteúdo mais significativo.

Falar de marketing de jogos é um assunto amplo e existem diferenças expressivas, dependendo da plataforma/modelo de negócios com que você trabalha.

Dizer que o marketing voltado a jogos mobile é próximo ao de premium games para pc, seria um equívoco da minha parte.

Assim, dentre as sugestões que recebi, surgiu a ideia do acréscimo de uma tag que poderá fazer diferença para vocês, leitores.

A partir desse texto, no final de cada post possuirá uma hashtag dizendo para qual modelo de negócio (freemium, premium, etc.) e a qual plataforma estou me referindo.

Aviso dado, vamos ao tema.

Uma das questões mais comuns que um indie dev encontra sobre marketing de jogos é a necessidade de divulgá-lo em diversas redes sociais.

A mensagem que nos chega é a de que ter várias redes impactam no alcance da informação.

Consequentemente, mais jogadores conhecerão seu game.

A ideia de vincular divulgação em múltiplas redes ainda ganha mais força quando você participa de um evento de jogos.

No meio de vários possíveis jogadores ideais, uma pergunta ecoa.

Onde eu encontro o seu jogo? Como baixo? Vocês têm insta?

Muitas vezes, sua resposta vem junto a uma lista de itens: “Temos o nosso face, nosso site, insta e youtube também!”.

No entanto, ao checar as atualizações nas redes, você percebe que ganhou pouquíssimos seguidores.

Dos vários possíveis motivos para isso acontecer, temos um que pode se destacar.

O conteúdo que você produz e divulga.

 

Compartilhando do mesmo

A hora de criar um jogo é um momento de várias ideias.

No início da produção, tudo é novo e você fica entusiasmado para mostrar aos amigos.

Com o passar do tempo, a euforia diminui e o produto tem sua primeira versão jogável.

Nesse momento, você tem interesse em ver várias pessoas testando, afinal feedbacks podem melhorar o game.

O que você faz?

Cria diversas redes sociais.

Com várias, fica difícil produzir uma variedade de conteúdos, uma vez que também é preciso desenvolver o jogo.

Qual é a sua solução?

Escolher uma rede principal e divulgar em massa o mesmo conteúdo nas outras.

Essa ação, por mais que pareça lógica e há anos pareça ter conseguido bons resultados, hoje nem tanto.

Para compreender o problema por trás dessa estratégia, primeiro responda a pergunta:

O que te leva acessar o facebookE o instagramE o twitter?

 

Hábitos e comportamentos do usuário

Falar sobre redes sociais é falar sobre pessoas.

Se você, desenvolver indie, não entende como as pessoas pensam e se comportam, suas chances de fracasso podem aumentar exponencialmente.

Para fazer a explicação dos próximos itens, utilizarei a pesquisa sobre Hábitos de Comportamentos dos usuários de redes sociais no Brasil 2014.

É preciso entender que para conseguirmos fazer uma análise mais coerente, devemos fazer recortes de um contexto.

A partir de uma fatia do todo, temos acessos a variáveis mais claras e podemos compreender melhor como seu possível jogador ideal se comporta.

Isso não significa que todos ajam da mesma maneira.

A abordagem aqui será baseada no usuário brasileiro e, no final desse texto, espero que você se lembre que cada país e/ou cultura possui diferenças, resultando em hábitos e comportamentos completamente diferentes.

 

Facebook

Qual o motivo que leva os brasileiros a acessarem o facebook?

De acordo com a pesquisa, 55,3% utiliza a rede apenas com o objetivo de manter contato com os amigos, colegas e parentes.

Quando o assunto é jogos online, apenas 1,5% afirma utilizar a rede com esse objetivo.

“Mas é claro que o objetivo das pessoas em utilizar redes sociais é manter contato!”

O pensamento acima reflete a visão de muitos devs.

No entanto, os motivos variam significativamente e essa mentalidade pode gerar problemas no conteúdo produzido.

A partir desses dados, fica evidente que a utilização do facebook para os brasileiros é baseado em uma manutenção de vínculos.

Como sua página estabelece um vínculo com o jogador?

Dentre as várias respostas, temos a criação de uma personalidade única capaz de fazer com que o seu jogador o reconheça em poucos segundos.

Em resumo, se o conteúdo que você produz dentro dessa rede não explora a conversa e a coparticipação, seu game poderá ser deixado de lado.

Veja o exemplo abaixo e responda: de qual jogo você diria que estas postagens são?

Imagem exemplificando a criação de vínculos utilizando um tom e padrão de discurso.

Ao criar um padrão discursivo, seja utilizando frases que seguem uma mesma estrutura sintática ou empregando palavras que empoderam o jogador, você tende a criar um vínculo.

Dessa forma, possivelmente promoverá um maior engajamento do seu jogador com o game, afinal em meio a vários jogos, o Heroes of the Storm o chama de herói.

No caso do Overwatch (texto da esquerda), em meio a um feed com várias notícias que o jogador recebe diariamente, caso ele veja esse formato, saberá que um novo personagem foi lançado dentro daquele jogo em específico.

 

Instagram

Você sabia que o instagram é uma das redes que mais cresceu nos últimos anos?

Segundo a Social Media Trends 2018, 47,1% dos respondentes declararam que o Instagram é sua rede social preferida, deixando todas as outras para trás — até mesmo o Facebook, que ficou com apenas 29,6% dos votos.

Se a tendência se mantiver, o conteúdo que produzimos para o facebook passará para por uma grande transformação.

A justificativa para isso está no fato de que 52,6% dos respondes da pesquisa de H&C 2014, diz que entra na rede com o objetivo de se divertir/passar o tempo.

Enquanto na mesma pesquisa o face se mantém na preferência por criar vínculos, o usuário do insta procura por diversão/passatempo.

Logo, um conteúdo divertido não é necessariamente algo que crie e/ou mantenha vínculos.

Nesse cenário, são dois tipos de conteúdo diferentes a serem produzidos.

Imagem com o instagram criado para divulgação do jogo Celeste.

 

Twitter

O que leva os usuários a utilizarem o twitter

Para 65,5% do entrevistados, a resposta é se manter informado ou receber informações sobre seus interesses.

Utilizando um limite de 280 caracteres, as mensagens curtas dão dinamicidade a rede. Dessa forma, em tempo real, você tem acesso às novidades relacionadas a seus seguidores.

Para muitos, o twitter estava com os dias contados, pois a rede parece muito simples. No entanto, ela permanece ativa a anos.

Já se perguntou quem ainda a utiliza?

Dentre os vários grupos, temos os adolescentes que consideram o twitter um espaço (ainda) não invadido pelos familiares.

 

Para fechar

O motivo que leva os usuários a possuírem diversas redes sociais é muito variado.

Enquanto uns procuram apenas por diversão, outros buscam criar vínculos ou até mesmo fugir dos familiares.

A estratégia de definir uma rede como principal e compartilhar o mesmo conteúdo em vários ambientes perde parte de seu sentido tendo em vista as explicações anteriores.

Ao trabalharmos criando jogos, é fundamental entender o comportamento do seu suposto jogador ideal.

Conhecer as particulares de cada grupo pode ser uma forma de criar maneiras mais eficazes de atingi-los.

Nessa perspectiva, uma atitude que pode ser mais interessante e eficaz é definir uma única rede.

Foque em produzir conteúdo de qualidade para ela, levando em consideração o motivo que leva os jogadores a acessá-la.

Ademais, se você não entender como os mecanismos de busca funcionam, qualquer conteúdo que produzir poderá ser esquecido.

Por fim, a recepção positiva do público em um evento não é sinônimo de muitas vendas.

Tenha em mente quem é seu cliente final e lembre-se:

“Se existe uma regra universal em marketing, talvez ela seja: tente ser tudo para todos e você será nada para ninguém.” – Branding 101 – o Guia básico para a gestão de marcas e produto.

Tem interesse em aprender mais como aplicar marketing ao desenvolvimento de jogos indie, fique atento as oportunidades!

Gostou do conteúdo e deseja acompanhar as novidades? Cadastre-se para receber tudo em primeira mão.

2 Comments

  1. Curti o texto, Victor! De fato cada rede social possui um foco, um motivo que leva seus usuários a estarem ali presentes. Cabe aos desenvolvedores não se perderem na miopia de que precisam estar em todos os lados, mas sim analisar com cuidado qual seu atual objetivo e onde melhor alcança-lo.

    1. Quanto mais redes, mais variedade de conteúdos e objetivos! É um trabalho complexo, ainda mais pra desenvolvedores de primeira viagem que, além de desenvolver o game, cuidam da divulgação! Obg pelo feedback. 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *